Livros da OpenStax na Estante do CDF

36 comentários

Muito bem, vamos agora ver a lista de livros da iniciativa OpenStax, da Rice University, que servem aos estudantes brasileiros do Ensino Médio, que pretendem fazer o Enem ou prestar um vestibular.

Importante destacar que estes livros podem ser usados em substituição aos livros didáticos nacionais, com raras exceções que detalharei a seguir. Você pode baixá‐los em PDF ou lê‐los online. Nesta segunda opção, se você usar os navegadores Chrome do Google e Edge da Microsoft, eles podem traduzir automaticamente as páginas do inglês pro português, com mais de 90% de exatidão. E o que ficar meio “estranho” nas traduções automáticas, você, que é muito inteligente, vai saber deduzir o significado correto pelo contexto ou com a ajuda das ilustrações.

Depois, à medida que você for aprendendo inglês, vá tentando também ler os livros da OpenStax no original, apenas recorrendo esporadicamente às traduções. Acredite, chegar na faculdade sendo capaz de ler um livro‐texto em inglês com a mesma desenvoltura com que lê um livro em português vai ser uma tremenda vantagem pra você!

O primeiro livro que você deve pegar é o College Success, um livro relativamente pequeno que ensina atitudes e estratégias (inclusive técnicas de estudo) que são úteis para quem quer se sair bem na faculdade ― e que também serve pra quem ainda não chegou na faculdade aprender a estudar com mais autonomia.

Depois, vem a série de livros introdutórios de Matemática, de que já falei em postagem anterior, e por isso vou basicamente repetir aqui o que escrevi lá. São eles:

Pré-Álgebra e Álgebra Elementar são a Matemática ensinada nas Middle Schools americanas, correspondentes, teoricamente, ao Segundo Ciclo do Ensino Fundamental brasileiro (6º ao 9º anos). Já Álgebra Intermediária é a Matemática ensinada nas High Schools americanas, correspondentes, grosso modo, ao Ensino Médio brasileiro.

É provável que, ao estudar esses livros, você reveja alguns assuntos que pensa que já domina, com exercícios que parecem fáceis demais. Mesmo assim, leia o texto e resolva os exercícios com atenção. Você poderá descobrir lacunas insuspeitas no seu conhecimento. São essas pequenas falhas, detalhes mal entendidos da teoria, técnicas não muito bem assimiladas de resolução de problemas, que vão se acumulando e tornando a Matemática cada vez mais “difícil”. Esse é o momento de saná-las!

Outra vantagem de você começar por esses livros é que, como você provavelmente já domina a maior parte do conteúdo que eles trazem, você poderá se concentrar em aprender a linguagem dos livros (o inglês técnico), o estilo dos autores e se habituar a como eles organizam a teoria e os exercícios. Acredite, não há autor de livro didático nacional que chegue perto da maestria dos professores da OpenStax!

Se você, estudante CDF, não vai seguir o “itinerário formativo” Matemática e suas Tecnologias (o que quer dizer que você não pretende fazer uma faculdade na área de Exatas), aqueles três livros básicos de Matemática devem ser suficientes. Já se você quer seguir carreira acadêmica em Exatas  (começando, já no Ensino Médio, pelo itinerário Matemática e Suas Tecnologias), prossiga seus estudos com os livros Algebra and Trigonometry e Precalculus. Os dois livros têm muitos conteúdos idênticos, mas algumas seções e capítulos tem somente em um, e não no outro. (Basta comparar os sumários pra você descobrir essas diferenças.) Outro livro, College Algebra, não inclui trigonometria, e tudo o mais tem nos outros dois.

Esta é a Matemática que os calouros das faculdades (Colleges) e universidades (Universities) americanas aprendem, antes do temido Cálculo Diferencial e Integral. Mas os estudantes mais inteligentes de lá, CDFs como você, estudam essa Álgebra Colegial com Trigonometria ou Pré‐cálculo ainda na High School. Assim, quando chegam no College, podem fazer logo a disciplina de Cálculo. Também é importante você pegar os três primeiros capítulos de Statistics High School., que cobrem os conteúdos de probabilidade e estatística que são ensinados (ou deveriam ser) no Ensino Médio brasileiro.

A parte de Geometria Euclidiana (isto é, que não é Analítica) é um pouco fraca nesses livros. Convém que você reforce com o volume 5 de Noções de Matemática do Aref ou os volumes 9 e 10 dos Fundamentos de Matemática Elementar do Iezzi.

Atenção para algumas “pegadinhas”! Alguns termos são bem diferentes em Inglês e Português. Por exemplo, os nossos “números naturais” são chamados whole numbers, que traduzido ao pé da letra dá “números inteiros”, ou “completos”, ou “integrais”; já os números que nós chamamos “inteiros” são chamados integers em Inglês, que se traduz por “inteiros”, “completos”, “totais”. Quer dizer, whole e integer são palavras sinônimas em Inglês, usadas para nomear tipos “parecidos” de números, enquanto que “natural” e “inteiro”, os termos correspondentes em Português, têm significados completamente diferentes.

Outro problema é que esses livros usam aquelas unidades de medida esquisitas dos americanos, ao invés do Sistema Internacional (SI). E converter para as nossas unidades não é sempre a melhor alternativa, porque muda completamente os números, bem como as contas a serem feitas. Autores de livros didáticos não escolhem os números usados nos exercícios aleatoriamente. São números que facilitam as contas, permitindo aos estudantes focar em técnicas de resolução, ao invés de detalhes tediosos dos cálculos. Ou números que geram resultados peculiares, testando o real domínio dos conceitos e das técnicas pelos estudantes. A mudança de números pela conversão de unidades anula esses efeitos.

Então, eu sugiro que, quando você encontrar exemplos ou exercícios nestas unidades de medida, ao invés de converter de maneira exata para as unidades do SI, substitua as unidades mais ou menos parecidas sem alterar os valores numéricos. Por exemplo, substitua “pés” diretamente por metros, “milhas” por quilômetros, “libras” por quilos, “onças” por mililitros e assim por diante, mantendo os mesmos números do problema original. Também, em exemplos e exercícios envolvendo dinheiro, substitua dólares por reais como se houvesse paridade entre as duas moedas. Assim, você vai realizar os cálculos com os números planejados pelos autores para cada exercício, mesmo que o resultado fique meio irreal ― distâncias muito grandes, pessoas muito pesadas ou produtos muito baratos, por exemplo.

Quando você tiver terminado o Intermediary Algebra, comece os livros de Física, ao mesmo tempo que Algebra and Trigonometry e Precalculus. São dois, Physics High School, mais básico, e College Physics for AP Courses, mais avançado. O primeiro é pra quem quer ir pra área de Humanas; o segundo é pra quem vai pras áreas de Exatas ou Naturais, ou ainda Engenharia e Informática. Mas mesmo pra estes seria bom estudar primeiro o High School antes do AP Courses, pra fixar bem os conceitos mais importantes da Física.

Quando você tiver terminado o Physics High School e for começar o College Physics, será o momento de iniciar também o Chemistry Atoms First. Você vai ver que existem duas opções de livro de Química na OpenStax; um é este, que ensina toda aquela parte que os professores daqui costumam chamar de “Atomística”, dos modelos de funcionamento dos átomos, logo no início do curso. A outra opção deixa esse assunto mais pro meio do curso. Colleges e universities americanas se dividem entre as duas abordagens; mas, aqui no Brasil, tanto no Ensino Médio quanto no Ensino Superior, a modalidade atoms first é preferida.

Uma deficiência dos livros introdutórios de Química americanos é que dão pouca ênfase à Química Orgânica. Aqui, os estudantes ficam o terceiro ano só com Orgânica; lá, eles vêem este assunto em menos tempo. Por isso, é necessário complementar com um livro nacional, como os do Feltre, da Reis ou de Tito e Canto.

Ao mesmo tempo em que você estuda Química, deve começar o Concepts of Biology, que é mais ou menos equivalente ao Amabis e Martho. É suficiente pra quem não vai fazer Medicina, Odonto ou qualquer outra carreira da área de Biociências. Mas, se este for o seu objetivo, convém você pegar, depois deste Concepts, também o Biology for AP Courses, que procura rivalizar com o Campbell e Reece. Um detalhe importante é que o AP Courses não traz todos os capítulos de sua versão College. Ficam faltando os capítulos 23 a 29, 31 e 32 do Biology. (Confira nos sumários dos livros quais são.) Recomendo estudar estes também.

Pra arrematar, indico o Astronomy pra quem dispuser ainda de tempo antes dos exames. Não é uma matéria que cai no Enem ou no vestibular. Mas o estudo de Astronomia permite aprofundar vários assuntos da Matemática e da Física, alguns da Química e mesmo da Biologia, relacionando essas disciplinas entre si. (Além de ser maneiro pra caramba!) Isso é uma coisa muito valorizada nas provas do Enem e de vestibular, aquilo que chamam de “interdisciplinaridade”, você usar conhecimentos de várias disciplinas conjuntamente pra entender as coisas e resolver problemas. Mas este é um livro opcional, só mesmo pra quem vai pras áreas de Exatas, Naturais ou Tecnológicas.

Infelizmente, a OpenStax não tem livros que sirvam pra quem quer ir pra área de Humanas e Sociais aqui no Brasil. Isso se deve à maneira muito “peculiar” (pra não dizer errada) que as disciplinas destas áreas são abordadas no nosso Ensino Médio. (Já tratei disso aqui no Guia.) Pra quem quiser ter um mínimo de conhecimento nessas áreas comparável ao que estudantes do Primeiro Mundo podem alcançar, tem aqueles livros que eu indiquei para Historia Mundial, Glencoe World History + Modern History e Ways of the World + Thinking Through Sources, os quais casam muito bem com os da OpenStax.

36 comentários em “Livros da OpenStax na Estante do CDF”

  1. Olá Serjão, Boa Noite!
    Um livro estrangeiro de geometria que eu gosto bastante, que é bem parecido com os livros da openstax, é o Elementary Geometry for College Students do Daniel C. Alexander e do Geralyn M. Koeberlein, vale a pena dar uma conferida!

    Curtir

  2. Olá Serjão! Boa noite!
    Quais livros são melhores, para embasamento de física para ITA/IME , os da openstax ou Física Clássica? Teria que complementar os da openstax com algum nacional?

    Curtir

    1. Boa noite, David! Os livros da OpenStax, embora forneçam uma ótima base conceitual, não são os mais adequados para a preparação para IME/ITA, porque seus exercícios são muito “fáceis”. Confira na minha mais recente postagem, “Currículo do CDF ― Áreas de Interesse” um roteiro completo para preparação para IME/ITA.

      Curtir

      1. Sim,eu quero fazer um concurso, mas esse é apenas um do diversos livros que tem no mercado ,e então eu queria saber se existe um que você conheça bom(com teoria e pratica),se não eu compro esse mesmo já que ele é bem avaliado(pelos nos comentários não vi muitas criticas)

        Curtir

      2. Esses livros de preparação para concursos são muito parecidos. Todos trazem teoria esquematizada e exercícios tirados de provas de concursos. Não são como livros escolares, que variam muito de nível.

        Curtir

      1. Não. Depois deles, você vai precisar de vários outros.

        A editora Vestseller é especializada em livros para candidatos ao IME/ITA. Mas são tantos que o estudante fica perdido entre as opções.

        O Renato Brito, dono da Vestseller, também oferece cursos preparatórios online, com vídeos, apostilas e outros recursos.

        Curtir

  3. Olá Serjão, o link dos livros de história e de ciências sociais não estão sendo encontrados, está me retornando erro 404 na hora que vou abrir eles.

    Curtir

      1. Ah, agora entendi. Você tentou baixar os livros do post “Livros de História na Estante do CDF”. Os links de lá não estão valendo mais. (Esqueci de removê-los, desculpe.) Experimente baixar do post “Todos os livros da Estante do CDF estão aqui”.

        Curtir

    1. O caso do SI você pode fazer a conversão no google. É só digitar, por exemplo, “12 in to cm”, ou “15 lb to kg”.

      Curtir

    1. Sim, com certeza! Inglês técnico, como se diz, é menos difícil, porque o vocabulário é bastante limitado comparado, por exemplo, a um jornal ou livro de ficção.

      Só é um pouco chato ter que parar a leitura para consultar o dicionário. Mas com o tempo, à medida que você for ampliando seu vocabulário, você precisará cada vez menos do dicionário.

      Curtir

  4. Olá Serjão, eu até um tempo queria fazer ITA,estou no 3° ano do ensino médio,mas não quero fazer mais ITA, quero fazer o ENEM agora, minha base em matemática, é boa para pegar os livros da OpenStax de ensino médio direto, o Intermediary Algebra, eu consigo ler em inglês sem nenhum problema, eu acho a qualidade dos livros da OpenStax boa o suficiente para substituir alguns livros nacionais por ele. O meu problema maior é o tempo, além da escola, eu tenho o curso técnico que faço, teria alguma dica para me preparar para o ENEM , com pouco tempo e ter uma boa preparação?

    Curtir

    1. Olá, Maycon. Acho que já nos falamos por aqui, não?

      Pra quem pouco tempo antes das provas que pretende fazer, eu recomendo estudar pelas provas passadas. Pegue a última prova e tente resolver. As questões que você não conseguir acertar, você estuda nos livros somente os assuntos específicos destas questões. Então, refaça elas e veja se acerta.

      Depois que você conseguir resolver todas as questões da última prova, passe à penúltima; depois desta, à antepenúltima. E vai assim, retroagindo no tempo. Pode fazer isso não só para matemática, mas para as outras disciplinas também.

      Dessa maneira, você vai estudar prioritariamente os assuntos que costumam cair nas provas, e principalmente aqueles que você tem mais dificuldade.

      Bons estudos!

      Curtir

      1. Já nos fazemos antes sim, sou um CDF bem antigo por aqui, entendi, sua dica resolve o problema de não conseguir resolver livros de capa a capa, certo? Seria uma furada então, pegar livros imensos, com pouco tempo certo? Obrigado

        Curtir

      2. Eu não diria “uma furada”, mas *pouco eficiente* neste caso. É mais seguro fazer como eu disse, se guiar pelas provas.

        Curtir

  5. Olá Serjão, tudo bem? Prazer em conhecê-lo!

    Antes de tudo, gostaria de parabenizá-lo e, ao mesmo tempo, agradecê-lo pelos seus posts. Eles realmente são bastante incentivadores e, acima de tudo, muitíssimo valiosos e úteis. Estou no Ensino Médio, e estudo além da grade curricular sobre neuroaprendizagem e memória (Pierluigi Piazzi, Barbara Oakley, Benedict Carey, além também pelo site brainfacts.org). E eu confirmo que, todas as suas orientações são verdadeiramente úteis e certeiras.

    [Introdução da dúvida]

    – Pois bem, eu tenho o sonho de seguir a carreira científica, principalmente nas áreas de Medicina (quero conhecer o ser humano, principalmente na área de psiquiatria), pretendo estudar Física e Matemática (principalmente para fazer pesquisas sobre Universo e suas leis, desde ás partículas subatômicas, até a sua visão macroscópica). E desde cedo já estudo humanas por puro hobbie, mas não uma profissão. Pode parecer um pouco ousado e utópico, mas terei perseverança nos meus estudos e realmente seguir o meu sonho de cientista e pesquisador, não consigo ter o sonho de “aposentadoria”, mas sim de um eterno conhecedor e estudante.

    – Como você bem deve conhecer, os materiais fornecidos e o sistema educacional no nosso país é uma das realidades mais tristes que existe. Por um lado em ciências humanas existe um viés marxista muito pesado, e por outro lado em exatas é uma área tratada de forma ineficaz e com um problema muito vigente inserido nos estudantes que é o “efeito Einstellung”. Quando eu percebi isso (no final do meu 9º ano em 2019, após falhar em um processo seletivo; em 2020, com o Covid-19, tive um 1° ano muito péssimo num ensino técnico público), vi o quão deprimente é a situação atual. Visto isso, decidi seguir o rumo autodidata. De lá até aqui sofri muito, mas hoje estou mais firme e forte.

    – De toda a trajetória, percorri a vários materiais em busca dos melhores, e de fato os “encontrei”. Antes de ontem, descobri por este mesmo post o projeto OpenStax. O tipo de material em que busco são aqueles que, além de me ajudar á passar no Enem e Vestibulares, que eu mantenha e continue me aprofundando em áreas específicas para que, mesmo após o E.M, não precise pegar a base toda de novo, mas sim continuando me aprofundando e estudando.

    [Dúvida]

    – Sei que já deva ter respondido isso, mas preciso de uma confirmação mais certeira: eu posso realmente substituir os livros nacionais (no caso de matemática, física e biologia especificamente), e partir para o OpenStax, seguindo a recomendação dos exercícios nacionais e da parte de geometria, tranquilamente e sem nenhum medo? Preciso de uma confirmação sua a qual eu tenha a segurança o suficiente para entrar nesses livros.
    – Se for o caso, eu posso muito bem fazer o seguinte: Aprender o inicial pelas apostilas da OpenStax, revisar lendo novamente e reforçando o conteúdo no FME, e em seguida fazer exercícios do FME (e poucos para inicio do Open). E em Física, estudar os Tópicos de Física e a OpenStax, porém no mesmo processo que Matemática. Em Biologia, é uma matéria a qual tenho mais dúvida e dificuldade, e ainda quero seguir a Medicina (por me interessar na parte de corpo humano e sistema nervoso), qual eu posso escolher: Amabis e Martho ou a OpenStax?

    Mil desculpas pelo tamanho do texto, porém não consegui ser mais claro e assertivo do que isso, mesmo. Mas se possível tirar um tempinho para poder me ajudar, eu serei extremamente grato por você.

    Desde já, eu o agradeço,
    Henrique.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá, Henrique! Temos bastante em comum, sabia? Esse ideal de “eterno estudante”, interesse por ciências em geral, das exatas às humanas, ir além do estritamente necessário para as provas…

      É um perfil intelectual de generalista, ou de multiespecialista, que difere de outro que tende a se focar numa só área do conhecimento.

      O maior desafio para pessoas como nós é a necessidade inevitável de priorizar os assuntos e temas que nos interessam, dado que não há tempo no cotidiano, e mesmo numa vida inteira, pra nos aprofundarmos o tanto quanto gostaríamos nas múltiplas disciplinas.

      Também as pressões acadêmicas e profissionais acabam nos obrigando, muitas vezes, a nos concentrar numa área e deixar outras de lado. Tem que ter muita sabedoria para equilibrar as coisas, o que só se adquire com a experiência.

      Mas vamos à sua dúvida. Sim, você pode substituir os livros nacionais pelos da OpenStax, na sua preparação para a faculdade. Inclusive em Biologia. Isso vai te libertar do efeito Einstellung (de fazer as coisas sempre do jeito costumeiro), do qual absolutamente todos os livros didáticos nacionais padecem (mesmo os melhores).

      Estudar os livros nacionais ao mesmo tempo, ou logo depois dos da OpenStax pode ser ótimo para fixar mais ou revisar os conteúdos. Mas essa estratégia só é viável se você tiver muito tempo livre para estudar, ou se estiver planejando ingressar na universidade só daqui a dois, três anos.

      É mais proveitoso, em termos de poupar tempo, você ficar só com os livros da OpenStax. E, depois, pegar as provas dos últimos anos dos vestibulares das universidades que você tem em mente (ou do Enem, caso elas integrem o Sisu), pra treinar os tipos de questões, os conteúdos mais cobrados, essas coisas.

      Bons estudos!

      Curtido por 1 pessoa

    1. Sim, os livros da OpenStax substituem inteiramente os nacionais. Somente precisa complementar algumas partes, conforme eu detalhei na postagem.

      Curtir

    1. São melhores, em termos de correção teórica, exposição didática e contextualização dos exercícios. Só perdem nas questões mais difíceis dessas coleções nacionais.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s