Livros de História na Estante do CDF

5 comentários

Se você quiser realmente conhecer o que as Humanidades e as Ciências Sociais são de verdade, você terá que estudar por alguns livros universitários, ou de autores estrangeiros. Mas quais livros? Há tantos! Felizmente pra você, eu fiz uma exaustiva e criteriosa pesquisa das opções disponíveis, e descobri os mais acessíveis, mas ainda desafiadores pra você estudar.

Eu mesmo preparei, com exclusividade, versões reeditadas e misturadas (mashups, como se diz atualmente) de alguns livros de Historia Mundial que você pode baixar diretamente dos links logo abaixo. Como esses livros são frequentemente atualizados, com novas edições a cada dois ou três anos, dá pra baixar PDFs de edições anteriores, que não estão mais à venda, mas ainda são bastante atuais, sem receio ou culpa de que isso possa prejudicar os autores, editores, etc. (Afinal, eles ganham dinheiro mesmo é com as novas edições.) São eles:

  • Glencoe World History + Modern History, de Jackson J. Spielvogel – são tudo que os livros de História do Ensino Médio deveriam ser, caso os autores nacionais não fossem tão bitolados. Mais do que suficiente pro Enem e os vestibulares brasileiros.
  • Ways of the World, A Brief Global History with Sources + Thinking Through Sources, de Robert W. Strayer e Eric W. Nelson – livros introdutórios de Graduação (Undergraduate, como se diz em Inglês), pra quem quiser ingressar num curso de Humanidades ou Ciências Sociais já com sólido embasamento teórico.

Pra quem não é fluente em Inglês, existem duas ferramentas maravilhosas, que permitem a qualquer um, com um mínimo de esforço, ler livros escritos em qualquer uma de dezenas de línguas: o Google Tradutor e o seu concorrente Bing Tradutor, da Microsoft. Você pode copiar e colar nestes serviços desde palavras isoladas até páginas inteiras de texto e obter traduções em Português em poucos segundos. (Ah, se houvesse algo assim na minha época de estudante!) Sim, a tradução feita por essas ferramentas do Google e da Microsoft não é perfeita, ainda. Mas é muito boa, o bastante para você mesmo identificar e corrigir os poucos erros, ou colocar na ordem correta frases que ficam meio esquisitas.

Em História do Brasil, tem dois livros nacionais que são menos ruinzinhos. Brasil: Uma História, do jornalista Eduardo Bueno, pela Editora Leya, é um livro abrangente, belamente ilustrado, com texto claro e sucinto, que não deixa de fora nenhuma passagem importante de nossa história, e inclui mesmo alguns aspectos pitorescos. Este é o que eu recomendo pra quem vai cursar Exatas, Naturais e Tecnológicas. Já pra quem vai fazer Humanas e Sociais, eu recomendo Brasil: Uma Biografia, das historiadoras Lilia Moritz Schwarcz e Heloisa Murgel Starling. Bastante atualizado, cobre com profundidade os mais importantes tópicos de nossa história, e inclusive joga luz sobre aspectos do cotidiano e ocorrências que costumam ser negligenciadas em outras obras do gênero.

(Se eu fosse elaborar um currículo , eu basearia os conteúdos de História do Ensino Fundamental no Glencoe e no Eduardo Bueno; e os do Ensino Médio em obras semelhantes ao Ways of the World, ao Brasil: Uma Biografia. Só pra quem gosta de “Humanas” ter que ralar tanto quanto quem gosta de Matemática, de Física ou de Biologia!)

Pra você saber o mínimo de História da Arte, e poder aproveitar uma visita a um bom museu do gênero, o livro de referência para o Ensino Médio é o de Graça Proença, pela Editora Ática. É relativamente curto, bem escrito e belamente ilustrado, vale a pena conhecer. Se você quiser, depois, se aprofundar um pouco mais no assunto, em inglês tem a Basic History of Western Art, uma obra já clássica de H. W. Janson, e que vem sendo reatualizada a cada edição por sucessivos coautores.

Existem quatro livrinhos de Filosofia, introdutórios de nível universitário, que posso recomendar para quem quiser começar a entender esta fascinante disciplina: Iniciação à História da Filosofia e seus complementos, Textos Básicos de Filosofia, Textos Básicos de Ética e Textos Básicos de Filosofia e História da Ciência, todos do professor Danilo Marcondes, publicados por Jorge Zahar Editor. (Ele também escreveu Textos Básicos Linguagem, mais voltados pra cursos de Letras e Linguística.) Aqui estão todos eles juntos num só arquivo (menos o de Linguagem).

Tirando o Glencoe e a Graça Proença, que podem servir para o Enem e os vestibulares brasileiros (embora vão além do que cai nas provas), todos os outros livros são pra você estudar, caso se interesse, depois do Enem e do vestibular, durante as férias da sua graduação, qualquer que esta venha a ser.

5 comentários em “Livros de História na Estante do CDF”

  1. Boa tarde, Serjão! Adorei a seleção de livros. Senti falta de algum material com foco na arte oriental e arte africana. Alguma recomendação?

    Curtir

    1. Boa tarde, Ron! Em nível introdutório, os livros de história da arte focam mais na arte ocidental, que, afinal de contas, é da civilização de que herdamos mais elementos culturais.

      Livros focados em arte africana e arte oriental eu não conheço pra te indicar. Mas você pode procurá-los na Amazon, principalmente na loja americana. E leia as avaliações feitas pelos compradores estrangeiros pra te ajudar a decidir. Algumas são bastante informativas.

      Curtir

    1. Marilena Chauí é uma da maiores filósofas brasileiras. Mas é marxista, e uma das fundadoras do PT. Não foi capaz de criticar o seu partido e seus governantes nem durante os maiores escândalos de corrupção em que se envolveram. E se alguém tinha o dever moral e a autonomia intelectual para fazer isso, era ela.

      No livro dela, você vai ver, quando chegar na parte da filosofia política, que ela conclui que o modelo de sociedade e de Estado que ela considera ideal é o “socialismo com democracia”. (O mesmo vale também para a maioria dos livros de Introdução à Sociologia, de História Geral e de Geografia brasileiros.) E o leitor jovem, que ainda está aprendendo a “entender o mundo”, não tem conhecimento de outras fontes para contrapor ao que a autora diz, e acaba se convencendo que a autora “deve ter razão”.

      Se você pegar livros de introdução à filosofia americanos e europeus, verá que seus autores se inclinam para a “democracia liberal” (capitalista). E nem por isso deixam de apontar os problemas inerentes a esse modelo, como a tendência à concentração de renda e aumento da desigualdade socioeconômica. E também criticam os modelos socialistas, inclusive os supostamente democráticos, de uma maneira que você não vai ver em nenhum livro de autor brasileiro.

      Danilo Marcondes é bastante isento neste aspecto. Ele descreve esses modelos sociopolíticos sem cravar um deles como “ideal”.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s