Biologia de Amabis e Martho, Campbell e Reece

13 comentários

Os livros de Biologia para o Ensino Médio brasileiro são talvez os mais defasados em relação ao que se ensina da disciplina nos países desenvolvidos (Estados Unidos, sobretudo). Não que eles não tratem das novas descobertas na área, ou deixem de abordar temas que ganham destaque midiático. Mas a sequência dos assuntos, a histologia e a embriologia apresentadas precocemente, o tratamento estanque dado à evolução, a ultrapassada classificação das espécies em cinco reinos, e mais um tanto de incorreções teóricas mesmo (às vezes a pretexto de simplificar os assuntos), parecem congelados 30 ou 40 anos no tempo, fossilizados. Some‐se a isso a progressiva (ou seria regressiva?) redução do conteúdo teórico e da quantidade de exercícios, que acaba por nivelar por baixo as coleções todas.

Como ainda não há escapatória para esse estado de coisas, disponibilizo a vocês a coleção que às vezes é citada como a mais “completa” do mercado de didáticos brasileiro, dos autores José Mariano Amabis e Gilberto Rodrigues Martho. Uma fama um tanto injustificada, pelas razões que acabei de descrever. Você pode encontrar na internet várias versões em PDF dessa coleção. A mais abrangente, porém, em termos de conteúdo e exercícios, é a terceira edição, de 2011, na “versão turbinada” associada à plataforma online Moderna Plus, e aqui disponibilizada na íntegra, incluindo respostas de todas as atividades e mais material complementar que só tinha no website.

Em 2016, os dois autores lançaram uma nova coleção, Biologia Moderna, ajustada aos parâmetros do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), que pode ser acessada na íntegra no próprio site da Editora Moderna. Essa nova coleção de 2016 tem apenas 807 páginas (incluindo os suplementos do professor), contra as 2.077 da versão que coloquei aqui, na Estante do CDF! Mesmo que os livros do selo Moderna Plus tenham um layout mais “espaçoso” (letras grandes, linhas espaçadas, ilustrações amplas), e os novos livros tenham um visual mais “compacto” e uma linguagem mais sucinta, houve mesmo uma drástica redução no conteúdo teórico e nos exercícios.

Estudantes que miram os mais concorridos cursos de Medicina ou Odonto, e também as Olimpíadas de Biologia, compensam as deficiências dos didáticos nacionais (inclusive do Amabis e Martho) com uma excelente obra em nível de graduação: Biologia de Campbell (e sua colaboradora Reece). Está aqui a mais recente tradução para o Português, pra quem tiver essas pretensões.

13 comentários em “Biologia de Amabis e Martho, Campbell e Reece”

  1. Opa, Serjão, firme?
    Eu estou acompanhando as aulas do professor Flávio Landim, não sei se tu conheces, mas seu curso de Biologia aparenta ser bem completo.
    Recomendas seguir nele ou achas que, para alguém que quer Medicina, encarar logo o Campbell seria uma boa? Ou será que conciliá-los daria tempo, tendo em vista que estou no meu ano de vestibular?
    Abraços.

    Curtir

    1. Olá, Antonio Henrique.

      Não conheço o trabalho deste professor. A questão é se você está aprendendo com as aulas, ou se você acha que pode aprender mais, ou mais rápido, por livros.

      De qualquer forma, o Campbell é um livro universitário. Serve de aprofundamento, pra quem já tem uma base equivalente ao Amabis e Martho. Se você não tem essa base, deve terminar as aulas que está assistindo, ou os livros que está lendo, primeiro.

      Curtir

  2. Olá Serjão, você tem alguma sugestão de coleção de ciências do ensino fundamental? Antes de pegar biologia, gostaria de rever as ciências ensinadas no ensino fundamental.

    Curtir

    1. Tenho não. Mas acho desnecessário. As coleções de ciências naturais do Ensino Médio começam “do zero”, cobrem tudo o que é visto no Fundamental e vão além. É diferente de matemática, em que a maior parte do conteúdo do Fundamental não é revisto no Ensino Médio.

      Curtir

      1. E o mesmo vale para historia e geografia? Eu tava pensando no ensino fundamental justamente por conta da matemática. Mas se ciências, história e geografia for revista do zero no médio, vou poupar um tempo precioso!

        Curtir

      2. Sim, vale o mesmo pra essas matérias. Somente Matemática, Português e Inglês não recomeçam do zero.

        Curtir

  3. Serjão, o que acha do Bio da Sônia Lopes? Seria uma ideia interessante estudar em conjunto com o Amabis e Martho?

    Curtir

    1. Em conjunto, estudando os dois intensivamente, eu não diria, porque não não há nada no Bio que não tenha no Amabis. Mas pode servir pra esclarecer dúvidas em pontos específicos que você não entender pelas explicações do Amabis. Também os exercícios do Bio podem servir pra revisar as matérias estudadas no Amabis, depois de algum tempo.

      Quando eu recomendo um determinado livro ou uma coleção, é porque avalio que aborda os assuntos em profundidade (mais do que a “média” dos outros livros) e traz exercícios mais variados (e parte deles mais difíceis). Afinal, estou falando com CDFs, que sempre querem ir além, aprender mais, fazer mais. Mas isso não quer dizer que seja o único livro ou a única coleção que preste.

      O *ideal* seria sempre o estudante usar uma coleção principal e outras secundárias, mesmo que mais “fracas” em termos de conteúdo ou exercícios, para ter outra perspectiva dos assuntos, conhecer outras abordagens, outros pontos de vista.

      Mas entre o “ideal” e o “real” vai uma grande diferença! Condições financeiras (pra quem prefere livros impressos), de acesso a computadores e internet (pra quem prefere ebooks e PDFs), o tempo disponível pros estudos e a proximidade dos exames pretendidos (Enem ou vestibulares) obrigam, na prática, a maioria dos estudantes a usar uma única coleção. (E olhe lá…)

      Mas, se você tem condições de usar outras pra complementar e reforçar o seu aprendizado, vale muito a pena!

      Curtir

    1. Que legal, Samir! Eu tenho essa versão impressa, mas não conhecia ainda em PDF.

      Essa versão tem mais páginas apenas porque o layout mudou. Ficou mais “arejado”, mais “colorido”. Mas o conteúdo teórico é o mesmo que da edição de 2004. A maioria dos exercícios também.

      Mas se o arquivo for de boa qualidade (vou ter que baixar pra checar), será preferível àqueles que disponibilizei aqui.

      Muito obrigado pela sugestão!

      Curtir

  4. Serjão, já finalizei o primeiro volume da edição de 2004 e analisando tanto o remix quanto o Campbell, realmente parecem muito superiores. Devo trocar de edição ou continuar com aquela mesmo?

    Curtir

    1. Olá, HJ. Isso depende do tempo que você tem, e dos seus objetivos.

      Se você quer fazer Medicina, ou outro curso da área biológica, tente pegar o Campbell de uma vez. Se você sentir dificuldade em algum assunto, retorne ao A&M neste assunto específico. Qualquer edição, tanto faz, vai ser só pra aprender o básico. E depois, reveja o mesmo assunto no Campbell e prossiga nele. Use também os exercícios do A&M pra você ter ideia do que de fato pode ser cobrado nos vestibulares e no Enem, e não perder tempo memorizando muitos detalhes desnecessários para as provas.

      Se você pretende fazer um curso em outra área que não a biomédica, o Campbell será um exagero. Continue com o A&M, a edição de 2004 mesmo, que tem mais conteúdo. E, se você terminar ainda faltando alguns meses até as provas, use a edição de 2010, especialmente os exercícios, pra revisar tudo. Depois que já tiver garantido sua vaga no seu curso, se ainda quiser aprender mais biologia, sem o estresse das provas, o Campbell sempre vai estar lá, à sua disposição!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s